Anúncio de Cabeçalho

test

Vereadores envolvidos na ‘máfia do combustível’ podem ser afastados

Os parlamentares são réus na Ação Civil Pública por atos de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público do Maranhão.

Segue as investigações que podem levar a cassação dos mandatos dos sete vereadores acusados de envolvimento na "máfia do combustível". Os parlamentares são réus na Ação Civil Pública por atos de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público do Estado do Maranhão. As investigações seguem e a qualquer momento os vereadores podem ser afastados dos cargos pela justiça.

A ação relata graves irregularidades comprovadas que transgrediram as normas e princípios constitucionais e administrativos com a manutenção de verdadeira "máfia do combustível" em Bom Jardim, esquema descoberto após investigações conduzidas pelo Ministério Público, inclusive com provas documentais, depoimentos, interceptações telefônicas deferidas judicialmente no decorrer da operação.

Conheça os vereadores envolvidos que também tiveram os bens bloqueados pela justiça.
Antonio Carlos da Sousa dos Anjos (Manim), Charles Viana da Silva (Lebreu), Manoel da Conceição Ferreira Filho (Sinego), Maria Sonia Brandão de Jesus (Sonia Brandão), Antonio Barbosa de Almeida Filho (Filho), Clebson Almeida Bezerra (Professor Clebson), José de Ribamar Ferreira (Dandor), estes são os sete parlamentares réus na Ação Civil Pública que investiga a "máfia do combustível".
Antonio Carlos da Sousa dos Anjos (Manim),

Charles Viana da Silva (Lebreu),

Manoel da Conceição Ferreira Filho (Sinego),

Maria Sonia Brandão de Jesus (Sonia Brandão),

Antonio Barbosa de Almeida Filho (Filho),

Clebson Almeida Bezerra (Professor Clebson),

José de Ribamar Ferreira (Dandor),
O procedimento administrativo instaurado para apurar as irregularidades nos abastecimentos de veículos apresentou provas robustas da ocorrência de desvio de recursos públicos, através de contrato de fornecimento de combustível, sendo que o prefeito e o seu irmão seriam os mentores intelectuais do esquema, por meio da autorização de abastecimento de veículos particulares de vereadores em troca de apoio político, com dano ao erário estimado em R$ 70 mil por mês.

“Há dezenas de notas de abastecimentos assinadas pelos requeridos, inclusive de vereadores da base aliada do governo, para o abastecimento de seus carros particulares sem qualquer controle da máquina administrativa, ocasionando evidente lesão ao erário público, dinheiro do povo que deveria ser revertido em prol de toda a comunidade bomjardinense nas mais diversas áreas, como, por exemplo, saúde, educação, saneamento básico, entre outras, mostrando o total descaso dos requeridos, representantes eleitos pelo povo, com o bem-estar e qualidade da população tão carente de gestores adequados para a mudança na condução da máquina pública”.

Em decisão proferida no inicio deste mês, os vereadores também tiveram seus bens bloqueados pela justiça. Os bens são imóveis, veículos, e valores depositados em agências bancárias, que assegurem o integral ressarcimento do dano, limitado à quantia R$ 1.435.468,65 (um milhão, quatrocentos e trinta e cinco mil, quatrocentos e sessenta e oito reais e sessenta e cinco centavos). Valores suficientes para garantir a execução da multa e do ressarcimento do dano causado ao erário público.