Índios se revoltam com declaração de Lidiane sobre abrigo em aldeia

Segundo um dos líderes, Lidiane quer prejudicar a imagem da comunidade.
Ex-prefeita está presa em São Luís após ter se entregado à PF.

A declaração dada pela ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite, em seu depoimento à Polícia Federal na última segunda-feira (28) causou revolta entre os índios que vivem em aldeias existentes no município. Ela disse que esteve o tempo todo escondida em uma aldeia indígena na cidade em que governava.

“Essa informação pegou a gente de surpresa. Não é verdadeira a afirmação dela no depoimento que ela fez e nós não tínhamos que esconder alguém que está fugindo da Polícia Federal”, disse Erismar Guajajaras, cacique da tribo Novo Tabocal.

Gerson Guajajara, que é líder de uma aldeia Novo Planeta, contou que nenhuma das comunidades alojaria Lidiane Leite uma vez que eles não receberam benefícios enquanto ela governava o município. Ainda segundo o indígena, obras estão paradas. “Além de ela nunca ajudar aqui dentro da comunidade, ela ainda quer nos prejudicar. Porque que ela nunca trouxe uma ajuda, em vez de nos prejudicar?”, questionou.

O município de Bom Jardim tem duas áreas indígenas em seu território, a Terra Caru e Terra Pindaré. Nesta última, existem sete aldeias. Os caciques estavam reunidos em uma delas para discutir assuntos das comunidades quando foram questionados sobre terem dado abrigo à ex-prefeita. “O que ela está querendo fazer é sujar a nossa imagem, a imagem da comunidade”, finalizou Francisco Guajajaras, cacique da aldeia Januária.

Lidiane Leite está presa desde a tarde 
desta segunda-feira (28)
Lidiane Leite se entregou à Polícia Federal após 39 dias foragida. O local da sua prisão causou polêmica na madrugada de terça-feira (29). O juiz José Magno Linhares, da 2ª Vara da Justiça Federal, havia determinado que a ex-prefeita ficasse detida no Presídio do Comando Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBM-MA), porém a juíza Ana Maria Almeida Vieira titular da 1ª Vara de Execuções Penais de São Luís e Corregedora dos Presídios determinou a transferência imediata de Lidiane para a Penitenciária Feminina de Pedrinhas.

O impasse foi resolvido provisóriamente com uma liminar que suspendeu a decisão da juíza Ana Maria, mas Lidiane chegou a ficar cerca de uma hora detida na Penitenciária Feminina de Pedrinhas e voltou para o Presídio do Corpo de Bombeiros onde passou a noite em um alojamento confortável.

Fonte: G1 MA















    

 
© Rádio Atrativa FM - Bom Jardim - Maranhão - Brasil - Telefone: 98 99151-2740 WhatsApp: 98 99151-2740