Anúncio de Cabeçalho

test

Homem cria personagem para viver nas ruas de São Luis

Da falta de emprego, homem de 41 anos que mora em fusca vermelho, cria personagem inspirado em filme para sobreviver nas ruas de São Luis como ilusionista.

Homem de de 41 anos mora em fusca.
Na Avenida Litorânea, em um dos cartões postais de São Luís, além da beleza da orla, é quase impossível ficar indiferente a presença do Pirata do fusca vermelho. De sorriso fácil, uma bagagem cheia de sonhos e um violão inseparável, Antônio Carlos, de 41 anos, conhecido como Mahatma ou Pirata do Calhau, mora em seu fusca vermelho.

A casa-carro está com os pneus furados, tintura desbotada e conta com o forro de panos e papelões. Assim, o fusca serve de moradia e, algumas vezes, de palco para o artista que resolveu, após muitas idas e vindas, morar em São Luís. Na ilha ele reside há dois anos.

Antônio Carlos tenta sobreviver da sua arte. Há 23 anos ele viaja por todo o país. Ele chegou a trabalhar como ilusionista em São Luís. Após ter saído do emprego procurou algo diferente para fazer. Antônio Carlos teve a ideia de criar um personagem. Nascia, naquele momento, Mahatma ou Pirata do Calhau, como vem sendo reconhecido pelo público local.

Com apresentações intinerantes em bares e restaurantes ao longo da Litorânea, o Pirata tenta garantir recursos para sua sobrevivência e também propaga a sua arte. Longe da família, o artista conta com a ajuda para alimentação de comerciantes e de pessoas que por ali passam.

Nascido em Catolé do Rocha no estado da Paraíba, Antônio Carlos tem quatro filhos. Recorda que desde muito jovem teve que assumir muitas responsabilidades. “Eu conquistei minha liberdade quando tive que assumir minha família, aos dez anos de idade, pois meu pai nos abandonou” afirma.

Tranquilo com seu inseparável violão, o artista fala que a reação do público, com a sua caracterização de Pirata, muitas vezes gera curiosidade, mas também recebe críticas sobre a sua aparência daqueles que circulam no local.

“As pessoas comentam sobre a minha aparência. Eles olham pra mim e acabam me confundindo com um drogado, e não sabem que foi a necessidade que fez seguir esse caminho onde acabei descobrindo um dom. Hoje eu vivo da arte”, disse o artista. E acrescenta: “Todo gênio é considerado como um louco”.
Homem cria personagem para viver nas Ruas de São Luis.
A inspiração de Mahatma ocorreu após assistir várias series do filme Piratas do Caribe, onde tornou-se fã de Johnny Depp, ator que interpreta o capitão Jack Sparrow. O amor pelo mar e pela liberdade, fizeram com que o ilusionista vivesse 24 horas trajado em roupas que lembrassem a figura de um pirata. Alegre e com muitos sonhos, Mahatma pretende escrever livros e ajudar instituições filantrópicas com sua arte “Tudo começou aqui em São Luís, no início foi muito difícil”, avalia. Entusiasmado com tantas pessoas curiosas em saber mais de sua história de vida, Mahatma espera que um dia possa ser visto por um bom produtor, e assim lançar o seu próprio filme que se chamará Piratas do Caribe nas areias do Calhau.

Fonte: O Imparcial